Logotipo

Escritor – Site Oficial

Cristina Calderón – Personagem Principal do Livro 21 Dias Nos Confins do Mundo recebe título de Heroí Nacional no Chile

Cristina Calderón – Personagem Principal do Livro 21 Dias Nos Confins do Mundo recebe título de Heroí Nacional no Chile

Avuela Cristina Calderon com o escritor Henry Jenné em 2013

Cristina Calderón – Heroína Nacional do Chile (2016)

Personagem principal do livro “21 Dias Nos Confins do Mundo”

(One of the main character of the book “21 Days at the Confines of The World” – still in portuguese)


Hoje (24/11/2016) Sra. Cristina Calderón foi declarada oficialmente Heroína Nacional de Chile

Today, November 24th 2016, oficially elected National Heroe of Chile

Avuela Cristina e sua filha Lidia Calderón, em Santiago do Chile, onde Avuela Cristina recebeu seu título e homenagem de Heroína Nacional de Chile

Foto acima: Avuela Cristina e sua filha Lidia Calderón, em Santiago do Chile, onde Avuela Cristina recebeu seu título e homenagem de Heroína Nacional de Chile.

Cristina Calderón eleita oficialmente Heroína Nacional 2016 de Chile


Jornais no Chile e Brasil

jornal la prensa austral cristina calderon eleita nova heroina do chile   jornal pagina 3 de santa catarina brasil cristina calderon eleita nova heroina do chile

jornal el mercurio cristina calderon eleita nova heroina do chile  cristina calderon eleita nova heroina do chile em TV chilena


Cristina Calderón was born at Robalo, Puerto Williams on Navarino Island, Chile. Cristina is the last living full-blooded Yaghan person after the death of her sister Úsula in 2003. By 2004, Calderón (often referred to as simply Abuela, Spanish for Grandmother) and her sister-in-law Emelinda Acuña were the only two remaining native speakers of the Yaghan language. After Acuña died at 84 years of age (October 12, 2005), Calderón became the last living full-blooded Yaghan person.  Abuela Cristina has been officially declared Illustrious Daughter of The Magallanes Region and Chilean Antarctica. She also has been recognized by The National Council of Culture and the Arts (Chile) as a Living Human Treasure in the framework of the Convention for the Safeguard of Immaterial Heritage, adopted by UNESCO in 2003. Likewise, she has been nominated among the fifty women heroines in the celebration of the Bicentennial of Chile. This year (2016) Cristina Calderón was elected National Heroe of Chile.


Cristina Calderón, conhecida como Abuela Cristina - declarada em 2003 Patrimônio Vivo e Imaterial da Humanidade pela UNESCO.

Sra. Cristina Calderón, conhecida como Abuela Cristina – declarada em 2003 Patrimônio Vivo e Imaterial da Humanidade pela UNESCO.

 Cristina Calderón (Maio de 1928) nasceu em Puerto Williams – Ilha Navarino (Terra do Fogo Chilena). É a última descendente viva e de sangue puro do Povo Yaghan, uma das 03 etnias que fizeram parte do Povo Ancestral da Terra do Fogo. Chamada carinhosamente pelo seu povo como “Avuela Cristina”, ela e sua irmã Emelinda (falecida em 2005) foram as duas últimas remanescentes de seu povo que falavam sua língua ancestral.  Avuela Cristina foi declarada oficialmente Filha Ilustre da Região de Magalhães e Antártida Chilena e em 2003 reconhecida pela UNESCO como Tesouro Vivo e Imaterial da Humanidade. Da mesma forma, foi nomeada uma das 50 mulheres heroínas do Bicentenário da República do Chile. Este ano (2016), Cristina Calderón foi eleita dentre centenas de candidatos, Herói Nacional do Chile.

 Em meu livro “21 Dias Nos Confins do Mundo” – uma história de ficção baseada em fatos reais, Avuela Cristina inspirou-me a uma das principais personagens do livro. Ao longo da história, a ela foi atribuído o nome de Virgínia, como forma de recordar a memória da Sra. Virgínia Choquintel – última descendente de sangue puro do Povo Selk´nam, também ancestral fueguino e que habitava a região da Ilha Grande da Terra do Fogo – hoje Terra do Fogo Argentina.

Livro 21 Dias Nos Confins do Mundo em que a Sra. Cristina Calderón inspirou a uma das principais personagens.

Livro 21 Dias Nos Confins do Mundo em que a Sra. Cristina Calderón inspirou a uma das principais personagens.

O extremo sul da América sempre surpreendeu milhares de pessoas ao redor de todo o mundo por seus encantos e magia. Berço de um dos povos mais lindos e místicos que viveu isolado do mundo por milhares de anos e aprendeu ao longo dos séculos a cultuar e a amar a Natureza no seu mais precioso sentido. Extraíam dela não apenas a sua subsistência, mas também a preciosa sabedoria que os permitia se conectar com a grandeza divina e as forças que regem o Universo. Ao percorrer os Caminhos Sagrados da Terra do Fogo, o viajante é conduzido a lugares mágicos e personagens marcantes, que compartilham histórias preciosas sobre os povos ancestrais da Terra do Fogo e sua sabedoria milenar. Ao se lançar de corpo e alma no desconhecido, experimenta o verdadeiro potencial humano e depara-se com os segredos da alma, do universo e de si mesmo.

Com um belo arranjo entre realidade e ficção, 21 Dias Nos Confins do Mundo costura fatos históricos e curiosos com a emocionante aventura que é se descobrir no mundo.

Villa Ukika

Villa Ulika, povoado criado na década de 1960 e onde foram realocados os últimos descendentes do Povo Yaghan (também conhecidos como Yámana)

 Tive  a imensa honra de conhecer pessoalmente a Sra. Cristina Calderón em sua casa, além de parte de sua adorável família, dentre os quais Luis Francisco Gomez Zárraga, seu neto e Chefe da Comunidade Yaghan, e o qual também inspirou-me ao personagem “Raul”. Com Luis pude percorrer parte da Ilha Navarino e conhecer o lugar mais representativo para seu Povo, ou seja, as terras habitadas por seus ancestrais e o Cemitério Indígena onde estão os corpos dos ancestrais Yaghan, na localidade chamada Baia Mejillones.

Avuela Cristina e grande parte de sua família vivem até hoje em Villa Ulika, povoado criado na década de 1960 e onde foram realocados os últimos descendentes do Povo Yaghan (também conhecidos como Yámana). Villa Ukika é o último ponto habitado antes da Antártida e onde os últimos 51 descendentes, dentre as últimas 7o pessoas existentes de sua etnia foram realocados.

Puerto Williams

Puerto Williams, Ilha Navarino – Terra do Fogo Chilena, onde fica Villa Ukika e onde vive a Sra. Cristina Calderón.

A história do Povo Fueguino, embora  tenha sofrido um final trágico, é fantástica e cercada de mistérios e misticismos. Os primeiros habitantes a surgirem na Terra do Fogo datam por volta de 12 mil anos (podendo ser superior), sendo que o seu surgimento até hoje é envolto de mistérios e especulações. Ao longo de sua existência se dividiram em 03 diferentes clãs, conhecidos como: Yaghans (Yámanas), Selk´nams (Onas) e os Alacalufes – embora o modo de vida e a estrutura social dos diferentes clãs fosse muito similar, inclusive suas crenças, o que fez com que alguns estudiosos os nomeasse, como um todo, de “Canoeiros Magalhânicos”. Há também uma 04º etnia conhecida como Haush, mas alguns antropólogos os classificaram como um ramo da etnia Selk´nam. Quando os primeiros no extremo sul da América avistaram enormes colunas de fumaça, e chegaram a acreditar que se tratavam de ilhas vulcânicas. No entanto, após chegarem próximos do litoral avistaram enormes fogueiras que eram mantidas acesas pelos nativos afim de minimizarem o extremo frio causado pelo clima Sub-Antártico.

Fueguinos

Ancestrais do Povo Fueguino – foto registrada pelo Missionário e Antropólogo Martin Gusinde no ano de 1923.

 Diversas pessoas importantes compuseram a história da Terra do Fogo, dentre elas Charles Darwin, o qual conviveu durante 03 anos com o Povo Fueguino antes de sua passagem por Galápagos. É preciso mencionar também a importância de alguns Missionários na manutenção e na sobrevivência do povo e da memória cultural da Terra do Fogo. Muitos deles, como a exemplo de Martin Gusinde e Alberto di Agostini (conhecido como o Padre aventureiro) tiveram papel crucial no registro do modo de vida dos nativos fueguinos, sem os quais seria impossível termos a mínima noção de como funcionava sua sociedade, cultura e modo de vida.

Em meu livro trago parte da minha experiência em peregrinar pela Terra do Fogo, entrelaçando períodos de reflexão própria ao longo dos Caminhos Sagrados da Terra do Fogo com partes ficcionais, as quais foram elaboradas tendo como base a Mitologia Ancestral que fazia parte da vida e da crença dos Ancestrais Fueguinos.


VOTE CRISTINA CALDERÓN:

VOTE CRISTINA CALDERÓN

Avuela Cristina não representa tão somente o Chile ou a Terra do Fogo, mas a Força e a Resistência do Espírito Humano, ou seja: A HUMANIDADE. 

OBRIGADO PELO SEU VOTO!


Livro 21 Dias Nos Confins do Mundo (Set/2015)

Dedicatória e Agradecimentos à Sra. Cristina Calderón

dedicatoria do livro 21 Dias Nos Confins do Mundo   agradecimentos do livro 21 Dias Nos Confins do Mundo

Crianças e Jovens de escolas brasileiras que estão conhecendo Avuela Cristina, assim como a história de seus ancestrais e da Terra do Fogo.

Foto acima: Crianças e Jovens de escolas brasileiras que estão conhecendo Avuela Cristina, assim como a história de seus ancestrais e da Terra do Fogo.


Avuela Cristina recebe a visita do Governador da Província de Magallañes, Tierra del Fugo y Antártida Chilena, Sr. Nelson Carcamo

Foto acima: Avuela Cristina recebe a visita do Governador da Província de Magallañes, Tierra del Fugo y Antártida Chilena, Sr. Nelson Carcamo

.

Avuela Cristina Calderón ao lado da Presidenta do Chile Michelle Bachelet, inaugurando o novo hospital de Puerto Williams no último dia 07de Novembro (2016), o qual leva o seu nome.

Foto acima: Avuela Cristina Calderón ao lado da Presidenta do Chile Michelle Bachelet, inaugurando o novo hospital de Puerto Williams no último dia 07de Novembro (2016), o qual leva o seu nome.

.

Foto da fachada do novo hospital de Puerto Williams "CRISTINA CALDERÓN, inaugurado no último dia 07de Novembro (2016).

Foto acima: Foto da fachada do novo hospital de Puerto Williams “CRISTINA CALDERÓN, inaugurado no último dia 07de Novembro (2016).

Pedra retirada da Baia Mejillones - Ilha Navarino - Cabo de Hornos (Chile), enviada à Washington D.C (EUA) para representar o Sul do Mundo no Museu do Índio Americano

Foto acima: Pedra retirada da Baia Mejillones – Ilha Navarino – Cabo de Hornos (Chile), enviada à Washington D.C (EUA) para representar o Sul do Mundo no Museu do Índio Americano. Assim que carregada, antes de embarcar, a Comunidade Yámana tirou a foto que servirá como um lindo memorial para os que virão, em especial pelo fato da Sra. Cristina Calderón (Heroína 2016) estar nela.